domingo, maio 27, 2012

Se tem ligação o que acreditamos? É óbvio que tem!

Tenho visto uma quantidade incrível de postagens defendendo religião e ateísmo. A primeira coisa que me vem a cabeça é que pergunto qual a necessidade que se tem dessa auto afirmação, necessidade de agregar adeptos, forçando o convencimento?
Isso não fortalece ainda mais ofenças? E aí entra o meu ponto: as duas abordagens me parecem estar indo para o lado oposto ao que "pregam", "acreditam", "consideram"...  Que tipo de argumentação se está usando.
Crer em Deus, ou em um entidade que de alguma forma coordena ou torna isso mais, ou menos, caótico tem por finalidade trazer aos seus praticamente uma ideia de vida de compaixão e união, fortalecendo suas almas e tornando-os indivíduos melhores.
Não crer em Deus algum é não se submeter as regras que definam o que é certo ou errado, acreditar que há uma sequência lógica em que tudo se explica. E de muitos eu ouço que é não ser hipócrita....
Como o Universo foi criado, como surgiram todas as espécies, se há alma... eu entendo que é impossível negar tais questionamentos, mas é tão doido assim deixar que cada um acredite no que lhe parecer mais lógico?
Pois é, para mim, há hipocrisia em todos os lados quando se usa de argumentos baixos ou força uma ideia para o convencimento. O pecado em julgar. O erro em ofender. Pecado ou erro, são palavras diferentes sim, mas mostrando que alguém está se sobrepondo a outrém.
Se a religão é o ópio do povo ou se é inadimissível viver tão pouco e simplesmente acabar aqui não deveria fazer diferença quanto a vontade e necessidade de se fazer sentir bem, sem agredir quem está em volta.
Eu fico tão apaixona por culturas diferentes, e, portanto, por diferentes religiões, quanto fico facinada com a ciência. E se todos estiverem certos ao seu modo? E se todos estiverem errados?
Eu trabalhei com crianças e dentro do currículo  da 5ª série há a discussão sobre as diferentes teorias sobre criação do Universo e origem da vida. Abordei todas as formas de pensamento, do criacionismo ao neo-darwinismo, passando pelo Big Bang e teoria da geração expontânea. Ao final de uma aula, uma aluna pediu para falar comigo e chorando me perguntou se tudo que ela tinha aprendido na igreja era mentira e se quando ela morresse tudo simplesmente acabaria e ela não veria mais niguém, simplesmente deixaria de existir. Não interessa o que eu acredito ou deixo de acreditar. Uma criança de 9 anos não tem como entender todas as nuances se nem aos 90 a maioria chega realmente a uma conclusão, mesmo que uns simplesmente acreditem por não pensar muito ou pensar demais a respeito. Eu achei que precisava fazer ela entender que eu não estava impondo uma opnião, estava mostrando diferentes pontos de vista, que se ela um dia resolvesse não concordar mais com as ideias da sua igreja ela deveria conhecer diferentes ideias  e, pra mim, se ela continuar sendo tão doce e preocupada com os colegas como ela era, não me interessa se ela resolver ser freira ou se entrar no Jeffersonian Institute.
E é por isso que além de eu não conseguir entender como se mistura fé e ciência no mesmo balaio ainda se briga tanto por isso. O livre arbítro de alguma forma não é o mesmo que a individualidade???
Não me interessa se  você é puramente criacionista, se só acredita que a alma não acaba aqui ou se acha tudo isso uma grande baboseira. Se tuas atividades não ofendem, agredem ou ferem outras pessoas, você será sempre bemvindo na minha casa.
Se eu te perguntar quais são tuas convicções é porque eu tenho certeza que posso aprender com elas, seja quais forem. Mas idenpendente do que você siga, não me agrada qualquer forma de extremismo.
Ter fé ou a fé em não ter fé. É como amar alguém ou alguma coisa. Se você realmente toma isso como seu, não fará diferença o que dizem. Um astrofísico pode não ver graça em insetos ou células. Um entomólogo pode não entender de economia. Os erros podem ser cobrados aqui ou em outro lugar, ou não serem cobrados, mas eu vou continuar achando que a mente humana, a diversidade e fractais são mecanismos perfeitos. 
Não precisa ficar em cima do muro, mas você não precisa reafirmar a cada 5 minutos o que acredita para ser uma pessoa melhor ou impor o que acredita achando que irá salvar uma alma ou abrir uma mente.

 
"A special type of broccoli, this cruciferous and tasty cousin of the cabbage is a particularly symmetrical fractal. Cook it for your favorite mathematician." 
"Um tipo especial de brócolis, este primo crucíferos e saboroso do repolho é um fractal particularmente simétrico. Cozinhe-o para seu matemático favorito."

Nenhum comentário:

Postar um comentário